Nobre Casa de Cidadania

O Ato Nobre

“Um Ato Nobre é uma ação realizada em benefício de terceiros, ausente de qualquer interesse pessoal, refletindo o carácter de quem a pratica ao demonstrar integridade, honra e humanidade.”

Nobre Casa de Cidadania, 2013

 

O conceito de Ato Nobre é complexo, multidimensional e torna muitas vezes difícil o consenso entre aqueles que o tentam definir. Por esta razão, a Nobre Casa de Cidadania sentiu a necessidade de construir e formalizar este conceito, contando com o contributo dos cidadãos.

Desta forma, na definição de Ato Nobre participaram o Conselho Institucional da Nobre Casa de Cidadania, os colaboradores da Nobre e a comunidade de Facebook Portugal é Nobre, envolvendo cerca de 900 cidadãos nesta reflexão.

Segundo a reflexão do Conselho Institucional, um cidadão tem de demonstrar altruísmo, coragem e desprendimento durante a realização de um Ato Nobre. Neste sentido, para ser considerado um Ato Nobre, o cidadão tem de agir em prol de terceiros e/ou do bem comum, sem qualquer ambição pessoal ou expetativa de retribuição, manifestando coragem na sua ação.

De acordo com a Fundação para a Ciência e Tecnologia, “os atos meritórios são esperados no exercício das funções de cada individuo enquanto cidadão, profissional, familiar e/ou amigo”. Um Ato Nobre é realizado sem qualquer obrigação e é fruto do grau de entrega e de excecionalidade à causa, obra ou ação realizada, podendo no entanto ter sido realizado no âmbito da atividade diária do cidadão.

Um Ato Nobre deve ainda perdurar no tempo e ter um elevado impacto na vida da pessoa beneficiada, sendo que quanto maior for o impacto da ação na vida da pessoa beneficiada, maior é a nobreza do ato.

A realização de um Ato Nobre não está limitada a nenhuma área de atuação, podendo este ser realizado em diversos campos de ação: solidariedade, cuidados de saúde, educação, preservação do ambiente, defesa do património, proteção civil, entre muitas outras.

Qualquer pessoa pode realizar um Ato Nobre independentemente das suas ações passadas, uma vez que, como refere a Faculdade de Teologia da Universidade Católica Portuguesa, o “ato nobre refere-se ao ato em si mesmo, a um ato concreto, independentemente dos méritos ou deméritos anteriores de quem o pratica”. No mesmo sentido, a Polícia de Segurança Pública (PSP) afirma que “nunca é tarde para mudar e nunca é tarde para fazer a diferença pela positiva”.

A partir dos contributos dos cidadãos[1], foi possível perceber que a realização de um Ato Nobre está também associada a um conjunto de valores.

O altruísmo foi o valor mais utilizado para caracterizar um Ato Nobre, estando presente em cerca de 22% das respostas dadas e referindo-se ao conceito de Ato Nobre como sinónimo de solidariedade, entrega e de ajuda a terceiros.

O carácter surge em cerca de 19,4% das respostas partilhadas, constituindo a segunda característica mais valorizada na definição de um Ato Nobre. Esta característica refere-se ao facto de um Ato Nobre estar relacionado com o carácter do cidadão, ou seja, a realização de um Ato Nobre é o reflexo do carácter de quem o pratica, demonstrando características de personalidade como honestidade, integridade, honra e coragem.

 

“Ser Nobre é ser humilde, leal, verdadeiro e ter valores e princípios dos quais nunca devemos abdicar seja por que motivo for”

(Testemunho Facebook)

 

A terceira característica mais referida foi o amor, sendo utilizada em 16,3% das definições apresentadas. Para os colaboradores da Nobre e para a comunidade de Facebook praticar um Ato Nobre significa amar o próximo incondicionalmente, agindo com bondade e compaixão para com todas as pessoas.

Analisando com maior profundidade os contributos partilhados, verifica-se que apesar de as principais características identificadas serem o altruísmo, o carácter e o amor, estas surgem em momentos diferentes da realização de um Ato Nobre. O altruísmo e o carácter observam-se como características que o cidadão apresenta no momento da realização do Ato Nobre, enquanto o amor é o que o motiva para a realização do ato em si.

A humildade e o respeito foram outras duas características bastante referidas, constando em 12,6% e 11,1% dos contributos partilhados, respetivamente. A humildade é identificada como a capacidade de reconhecer os próprios erros, defeitos ou limitações e agir de forma simples e humilde perante os outros, enquanto o respeito refere-se a tratar todas as pessoas de forma igual, considerando que todas são igualmente importantes.

Encontram-se de seguida dois exemplos que refletem a maioria dos contributos partilhados sobre o que é um Ato Nobre:

 

“Ser Nobre é ser íntegro! Pensar, sentir e agir de acordo com o código de honra que molda o caracter para o respeito pela vida em todos os seus aspetos”

(Testemunho Facebook)

 

“Ser Nobre é a excelência em 3 itens: dignidade, grandeza e generosidade”

(Testemunho Facebook)

 

Por último, mas não menos importante, um Ato Nobre deve servir de exemplo para as gerações atuais e futuras. Como é referido pelo Corpo Nacional de Escutas, o Ato Nobre deve ser seminal, pois “não se esgota em si mesmo, lança sementes, poderá reproduzir-se/frutificar”. Esta ideia é reforçada pela PSP: “um Ato Nobre, prolonga-se no tempo e influencia de forma positiva os que o rodeiam, quanto mais não seja pelo exemplo que constitui”.

Neste sentido, um Ato Nobre em si deve ter a capacidade de sensibilizar os cidadãos para a importância da sua prática e constituir um exemplo que promova a sua realização. Para a Liga de Bombeiros Portugueses “o reconhecimento e divulgação de Atos Nobres podem levar, seguindo uma lógica bola-de-neve, à proliferação de atos deste tipo”.

 

[1] Os contributos dos cidadãos foram reunidos através da partilha de 589 comentários no Facebook e da participação de 300 colaboradores da Nobre, permitindo compilar 1485 características, utilizadas para definir o que é um Ato Nobre.